acompanhe

Elementos.


21/11/2017

Esses dias atrás eu tive acesso à certidão de casamento dos meus bisavós. Foi uma emoção muito grande pois, por aquele documento, eu pude conhecer alguns dos meus tataravós, os pais de José e Geralda, cujo filho é meu avô, também José. Rita e Galdino, e Maria Luiza e Francisco, pessoas de nomes lindos e que certamente viveram tantas dores e amores... e aqui sou eu, um dos frutos desses acontecimentos, viva. Chama acessa, fogo.
Ao invés de eu me sentir cada vez mais longe desses antepassados, conforme o tempo avança eu me sinto cada vez mais próxima à eles, e foi um prazer conhecê-los. Foi um encontro emocionante! É importante saber de onde se vem, e honrar isso.
E foi quando li, abaixo do nome de meu bisavô, "profissão: lavrador", que eu mais me emocionei. Eu, também água, transbordei, eu chorei muito. Eu senti tanto orgulho, tanta gratidão. Eu já sabia que eu vinha da terra, mas voltar gradativamente pra ela que é pra fortalecer as raízes, isso tem sido um processo tão sublime.
Mas eu também sou ar, e como sou. Então eu sigo, dissipo, vou, mas sabendo de onde parto e pra onde volto. Cada vez mais entregue à minha jornada, cada vez mais integrada e comprometida com a vida, que é dádiva e é, ao mesmo tempo, impermanente e eterna por que, de uma forma ou de outra, a gente sempre esteve e estará. O que muda é a manifestação.