acompanhe

Um dia...



Toda vez que vou ao hospital, e ainda é com uma certa frequência, eu estranho um pouco tudo isso. Essa condição de paciente, de quem requer cuidados e monitoramento, que teve que mudar do dia pra noite a vida e os planos que tinha feito pra ela, e que hoje são feitos um pouco em função disso. Dessa nova condição, a condição de paciente oncológica.

Eu olho pro meu cartão, ou pra etiqueta que me colam, leio meu nome e me vejo nessa realidade, mas tudo me parece meio que um sonho. No começo eu acordava por vezes realmente achando que tudo o que vinha passando tinha sido um pesadelo, mas logo me deparava com o fato de que não, de que essa era minha nova situação. Era aterrorizante. Hoje eu ainda não consigo afirmar com certeza que já passei algum dia sem pensar nisso desde então, mas já estou mais conformada. Mas quando volto pro ambiente hospitalar e leio meu nome nos lugares, eu estranho. E lamento.Eu vivo um misto constante de lamento e receio, por que só quem passa por essa doença sabe o quanto ela nos deixa temerosos, mesmo quando tudo indica que ela se foi. Eu ainda oscilo entre temporadas de confiança plena e alto-astral e outras de insegurança e frustração.Porém sinto que uma coisa não muda: minha paixão pela vida. Eu já curtia viver mas depois disso tudo eu agarrei um amor que vocês não imaginam o tamanho. E não pensem que minha vida é tranquilinha e amena não, independentemente do câncer, ela é cheia de questões, como a de qualquer um. Só que eu sinto uma vontade de viver, apesar de tudo, que chega a sufocar.Eu vou fazer direitinho o que me sugerirem, e o que minha intuição sussurrar que é bom, pra ver se eu fico por aqui nessa de vida, que eu acho bem fantástico.É quase agosto e nesse mês fará 3 anos da medicação que eu tomo para evitar recidiva. Na etiqueta tá escrito 35 anos, mas eu lembro que na primeira vez que me etiquetaram tava escrito 31. Então eu tenho ficado por aqui, e tudo parece que caminha bem. Isso me tranquiliza, e os dias seguem correndo. Um dia quero não mais contar os anos a partir desse referencial.