acompanhe

Me regenero.


Hoje recebi essa foto da minha mãe, ela naqueles momentos em que a gente dá uma limpada no celular e resgata algumas memórias. Imagens que nos revelam quem éramos e como nos transformamos a cada dia, inevitavelmente, embora muitas vezes a gente só se dê conta disso quando se depara com fragmentos de um passado.
Essa foto foi tirada numa das viagens em família, a primeira que eu fiz pós tratamento. Foi logo após a radioterapia, quando passei a usar cabelos curtos, quando começaram a crescer. Eu já tava morrendo de vontade de que começassem a crescer para exibí-los, porque eu iria me descobrir nova e eu sabia que eu ia gostar de quem eu tinha me tornado, e de quem eu poderia ser dalí em diante, todas as possibilidades que se abririam.
Pareço feliz mas estava ansiosa, ainda inchada pela quimioterapia, a pele queimada da radioterapia, o rosto cheio de alergia que até hoje eu não sei exatamente do que era. Uma dermatite que se manifestou e que me entristeceu por um bom tempo. Foram consultas com três dermatologistas, várias trocas de medicamentos e produtos para pele, e só piorava. Podia ser emocional, claro, mas possivelmente era um combo, as drogas e radiação ainda muito presentes no meu organismo.
Ao não saber mais o que fazer me vi impelida a buscar alguma conexão sutil que me guiasse. Chorei, rezei, meditei, incorporei, sei lá, eu criei meus próprios rituais para tentar me conectar com o meu sagrado, o que na realidade era uma conexão mais direta comigo mesma. Foi bem intuitivo, mas não foi só no âmbito abstrato, eu também fiquei mais disciplinada e tomei atitudes concretas que me beneficiaram. Comecei a me alimentar basicamente de legumes e verduras orgânicos, evitar alimentos industrializados, fazer coisas que me traziam bem-estar. E com o tempo fui superando isso, e fui superando muitas outras coisas, por que problemas vem e vão, e a gente precisa lembrar que tudo passa inclusive o que faz mal. Inclusive o que a gente não compreende, inclusive o que é desequilíbrio. E o cabelo cresceu, e já cortei tantas vezes, por que eu mudo. Eu aceito e reverencio minha impermanência. E só por que eu mudo e me refaço, me regenero, é que estou aqui. Que estamos aqui.