acompanhe

18/12/2019

Isso também vai passar.


Toda vez que toca essa música eu sinto uma emoção bem forte, como se fosse realmente alguma coisa prestes a explodir dentro de mim. Me lembra de quando pude voltar para minha cidade natal após uns dias internada no hospital, eu fiz uma cirurgia bem invasiva para a retirada do tumor e reconstrução da mama. Depois de um período em recuperação e observação, no momento em que saíamos da cidade, eu e meus pais no carro, entramos na estrada e começou a tocar essa música.

Essa letra diz mais ou menos que nós não temos que nos preocupar com nada porque nós temos o fogo, e estamos queimando, brilhando como se fossemos estrelas. Que quando as luzes se apagarem risque um fósforo, aumente o som, dê amor ao mundo.
Nós levantaremos as mãos, brilhando até o céu, porque nós temos o fogo, e nós vamos deixar queimar!
Eu tinha 31 anos, não podia me mexer, estava toda costurada por dentro e por fora, na frente e nas costas, sentia dores que me fizeram pedir por morfina e a tristeza de quem não sabe mais nada sobre o futuro que tinha idealizado. Nada mais sobre nada, desolamento.
Os minutos não passavam, um dia era um mês. Mas quando pegamos a estrada rumo ao resto da minha vida, e eu pude de novo ver toda uma vida lá fora, tocou essa música. Sorri, internamente. Senti esperança, meu coração aqueceu de levinho, tinha restado uma fagulha. Então de lá pra cá, toda vez que a ouço, eu faço questão de resgatar na memória do corpo como eu me sentia naquele momento, tão debilitada, pra perceber na sequência como estou melhor hoje, como tudo tende a se regenerar, uma capacidade infinita de restabelecimento. E canto alto, reverenciando essa pulsão vital (que todos manifestamos).
Nada será como antes, mas será outro. Eu deixo queimar, e o novo vem. Perceba que você sobreviveu aos seus piores dias, e isso te trouxe potência. Você arde, então se permita brilhar. Saiba que esse sentimento de que nada, nunca mais, te fará ter essa vontade, isso também vai passar. 


🎵 "Burn" (Ellie Goulding)