acompanhe

Sobre saúde.


Hoje é 7 de abril, Dia Mundial da Saúde, data proposta pela OMS há 72 anos. Bastante tempo. A definição do que é saúde também tem variado muito ao longo dos tempos, sendo que a proposta atualmente é abrangente, felizmente, correspondendo a “um estado de completo bem-estar físico, mental e social e não apenas a ausência de doença ou enfermidade”.
Muitas revisões sobre o que é saúde foram feitas, mas tantas outras ainda precisam ocorrer para que a maioria de nós compreenda, ou melhor, corporifique, o que é “estar” saudável, que é o mais importante (prefiro do que “ser” saudável, por que saúde não é condição dada, inata, estática, imutável, é um estado relativo e relativizável, que oscila como toda condição que nos constitui).
Pense, uma pessoa pode estar doente e viver bem, dentro de suas limitações, muito melhor que pessoas aparentemente sadias, como alguns pacientes de câncer metastático. Outra pode ter os resultados de seus exames dentro dos parâmetros ditos de normalidade, mas levar uma vida de sofrimento, dor, uma vida miserável.
Portanto, é interessante conceber essa outra perspectiva do que é saúde, num sentido amplo, para investigarmos o que nos faz bem, a cada um de nós, e então buscarmos implementar hábitos que nos possibilitem usufruir desses benefícios. Instaurar saúde em nossas vidas. Saúde é também ação, não só condição.
É fundamental considerar que saúde não se referente só ao físico, saúde parece ser um estado de equilíbrio global, um equilíbrio delicado muito influenciado pelas escolhas que fazemos e atitudes que acionamos, que se bem conduzidas fazem a balança pender mais para o lado do bom andamento dos processos. Isso, tanto em relação aos sistemas constituintes do organismo, o que inclui mente (por que essa reconsideração também é necessária, mente não é algo separado do corpo, é uma continuidade cujas características são peculiares mas, mesmo que abstrata e intangível, tem materialidade e conexão com a totalidade, compondo uma complexidade funcional) mas também inclui o contexto a nossa volta e as relações que construímos com os outros que o constituem. Esse é o aspecto social da definição, tão fundamental.
Não basta não ter Covid-19 para afirmar-se saudável. Não basta ter corpo “bonito” conforme os parâmetros que a mídia impõe para ser saudável. Não basta comer isso ou não comer aquilo, pesar x quilos, levantar x pesos, correr x quilômetros, ter tido ou não alguma doença mais grave, ser jovem, ser rico, poderoso, influente, etc. Saúde parece ter a ver com (meta)estabilidade, manifestada por sensações como contentamento, pertencimento, satisfação, plenitude... é muito mais sutil do que parece. Saúde, pensei aqui, tem mais a ver com sentido do que com indicadores. Construção de sentido, entende? Uma configuração de vida sintonizada com suas aspirações, valores, prioridades, o que faria com que você se sentisse bem como resultado. É, então seria também "sentido" advindo do verbo sentir, ou seja, saúde deve ser mesmo se sentir bem. Como dá, aqui, agora, e a tentativa permanente de alcançar melhores condições e alguma paz.
Eu te desejo saúde, pra persistir.
Coisas que faço para ser saudável é dançar, sonhar, gargalhar, me emocionar, abraçar, presentear, amparar, escrever, organizar, inspirar, amar... sim, saúde é movimento.